Leituras do mês de Agosto

Oi pessoal! Tudo bem?

Decidi fazer um post sobre as leituras de cada mês do ano, então está aqui o saldo literário de agosto 2016 😀

Em ordem cronológica:

  • Um dia (One Day), de David Nicholls
  • Capitães da Areia, de Jorge Amado
  • Iracema, de José de Alencar
  • A Cidade e as Serras, de Eça de Queirós
  • O Mandarim, de Eça de Queirós
  • O Alienista, de Machado de Assis

14522344_1014725498624765_437240493_o

Um dia (One Day), de David Nicholls

14513739_1014725401958108_510103389_o

Primeira leitura de agosto, confesso que não gostei tanto. Não odiei, mas simplesmente não me cativou. A princípio achei interessante a ideia do David Nicholls de retratar o relacionamento dos dois personagens principais num determinado dia (15 de julho) durante vinte anos, só que dessa maneira achei meio difícil para me envolver com os personagens. Várias vezes, momentos importantes ficaram de lado porque não aconteceram no dia 15 de julho, mas sim no dia seguinte, por exemplo.

Acho que é um livro tocante pela história num total, principalmente o final é bastante triste e comovente,  mas não iria ler de novo.

Capitães da Areia, de Jorge Amado

14536894_1014725468624768_783399456_o

Minha primeira experiência com Jorge Amado, e amei!! Achei a história extremamente realística e tocante, me envolvi de vez com os personagens e até hoje sinto falta das aventuras de Pedro Bala, Professor, Pirulito e o resto dos Capitães da Areia!

Já vi muita gente falando que a linguagem do Jorge Amado é demaisiadamente simples para ele ser considerado um grande escritor, mas discordo completamente. Uma vez acho que a linguagem não é tudo, de nada adianta se a história é chata e não nos toca; e por outro lado acho que, ao menos em Capitães da Areia, nenhum outro tipo de linguagem poderia ser melhor. A simplicidade de Jorge Amado combina perfeitamente com o enredo e é um fator importante que torna a obra num total mais autêntica.

Iracema, de José de Alencar

14551108_1014725475291434_1333842283_o

Quando eu comprei, não sabia nada a respeito nem da obra, nem de José de Alencar… Peguei então, pensando que iria ler rapidinho, talvez numa sentada só, já que é fininho.

Quem já teve que ler imagina o meu desespero quando li as primeiras linhas, não entendi NADA. Li outra vez, nada. Ai já fiquei nervosa, pensando que meu português não seria bom o suficiente e fui pesquisar para ter pelo menos uma ideia melhor do enredo, como ajuda. Percebi então que, de fato, esse livro é dificilíssimo e que eu não era a única que teve dificuldades. José de Alencar já é famoso por uma linguagem clássica, mais complicada, mas fora isso, ele primeiro havia escrito Iracema em forma de poema épico, cheio de vocabulário indígeno (e por consequência, muitas notas explicativas já na época!). Quando ele percebeu que ficou muito complicado para o público da época (imagine eu então que falo português há só 5 anos!!), ele reescreveu em prosa. Porém sem muito sucesso, pois continua bastante complexo.

Durante minha leitura (demorada e sofrida), parei depois de cada capítulo para anotar o que havia acontecido. Se eu percebi que não conseguia, fui reler as últimas páginas, e assim foi até o fim. Foi meio chatinho, mas me mostrou que querendo consigo ler até a mais difícil obra de José de Alencar, então pelo orgulho de ter conseguido ler, valeu a pena! Hahaha

A Cidade e as Serras e O Mandarim, de Eça de Queirós

Livros que eu amei demais! A Cidade e as Serras foi divertidíssimo e o conto O Mandarim realmente me surpreendeu muito com sua mensagem e a atualidade dele, vale muito a pena ler esses dois. Foram meus primeiros contatos com Eça e já estou ansiosa para ler mais!!!

Resenha completa A Cidade e as Serras

Resenha completa O Mandarim

O Alienista, de Machado de Assis

Outro livro que também já foi resenhado aqui no CPC, O Alienista é um conto perfeitamente machadiano e muito querido, que aborda a tênue fronteira entre loucura e normalidade.

“Não se luta contra o destino: o melhor é deixar que nos pegue pelos cabelos e nos arraste até onde queira alcançar-nos ou despenhar-nos.”

14522598_1014725495291432_1489076359_o

Então, foram essas as leitura do mês de agosto, mesmo mês em que o CPC teve o seu início. Espero muito que tenham gostado e que essas mini-resenhas tenham despertado em vocês um interesse por estes livros. Desejo muito boas leituras a todos, até o próximo post!!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s